4 de mai de 2010

você veio

Chega, como quem não quer nada: devagarinho.
Meio silencioso, tímido até. Se senta... Se esquenta.
E depois não há mais como não querer, é inevitável.
Se pede, se empolga, não se evita.
Inconscientemente, se deseja.
E quando percebe, é ele... o amor; que está bem ao seu lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário