14 de abr de 2011

efemeridade

 No fundo sabiam, eles sabiam que ninguém mais traria aquela felicidade que estavam sentindo naquele momento - um com o outro, como uma troca justa, mesmo que viesse de bônus o sofrimento pelo fim. No sorriso, eles sabiam que aquela serenidade de vida plena não voltaria, ninguém mais traria. Na dor, eles sabiam que rasgando o peito ninguém mais costuraria com a maior sutileza. Na chuva, eles sabiam que aquele beijo seria único, eles sabiam que aquele gosto ninguém mais traria. No desejo, eles sabiam que o calor, que aquele suor ninguém lhe causaria tão ardentemente, ninguém mais. 
"O tempo vai parar só para ver a gente sendo feliz... E esse vai ser o dia mais belo", ele disse.
 Sem dúvida. Aquele foi o único e o mais belo dia. O tempo parou e eles também; sobre a dormência do amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário